A BioBIP Energy está a transformar borras de café em pellets.

A dependência energética derivada do uso de combustíveis fósseis e as crescentes preocupações ambientais, levaram à necessidade de desenvolver um sistema energético com uma percentagem de energia mais renovável e uma redução das emissões de gases com efeito de estufa. Entre as fontes de energia renováveis, a biomassa e bioresíduos são particularmente interessantes porque podem ser usados para gerar calor, eletricidade e também podem ser armazenados, ao contrário de outras fontes de energia renováveis. Em particular, registou-se um crescimento rápido da peletização de madeira, produção, consumo de energia e aquecimento nos últimos anos. De acordo com a European Bioenergy Outlook 2013, a produção mundial de peletes de madeira em 2013 foi de aproximadamente 24,5 Mton, dos quais cerca de 50% são produzidos nos países europeus. Em termos de consumo de peletes de madeira, os países europeus são os maiores consumidores, com cerca de 80% do consumo mundial total. No entanto, como apenas os aglomerados de madeira procedentes de resíduos florestais já estabeleceram com sucesso tecnologias e mercados, parecendo interessante concentrar na avaliação da peletização de outro tipo de produtos com conteúdo energético elevado.

Em particular a peletização de resíduos, neste caso as borras de café, são caracterizadas por uma baixa densidade aparente, alto conteúdo humidade e bom conteúdo energético no estado seco, o que lhes permite ser aproveitado para produção de energia. Desta forma evita-se o seu possível encaminhamento para processos de eliminação de resíduos, como por exemplo o aterro, suscitando problemas ambientais.